Livres em Cristo

“Foi para a liberdade que Cristo nos libertou.

Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.”

 Gálatas 5.1 

Liberdade significa direito de agir segundo o seu livre arbítrio, de acordo com sua própria vontade.

Nós não tínhamos opção, éramos entregues ao mundo e através do sacrifício de Jesus nos tornamos livres nEle.

Talvez você pense que estar debaixo da vontade de Cristo não é agir em liberdade, não é agir segundo a sua vontade, sendo que quando você escolhe estar debaixo da vontade de Cristo você reconhece que Ele tem o melhor para você, que Ele é o melhor para você.

Em 2Co 3.17 diz: “Ora, o Senhor é o Espírito, e onde está o Espírito do Senhor ali há liberdade”

O Espirito Santo está sobre você, então você é livre. Liberdade em Cristo não tem a ver com liberdade aos olhos humanos, tem a ver com o seu interior estar livre em Cristo e isso transparecer para o lado de fora.

Em Atos 16 relata que Paulo e Silas estavam presos, eles oravam e cantavam hinos ao Senhor, a Bíblia diz que houve um terremoto tão violento que os alicerces da prisão foram abalados.

Paulo e Silas aos olhos humanos estavam presos, mas o interior deles estavam livres, livres a ponto de orar e cantar hinos à Deus e algo sobrenatural acontecer naquele lugar.

Essa liberdade ultrapassa limites humanos, circunstancias desse mundo, a liberdade nEle é algo que Ele faz em nós e por nós.

Experimente dessa liberdade!

E não permita que ela pare você, contagie pessoas com ela, o carcereiro daquela prisão e todos da sua casa creram em Jesus e foram batizados, a liberdade em Cristo os contagiou.

Reflita nesse versículo:

“O Espírito do Soberano Senhor está sobre mim porque o Senhor ungiu-me para levar boas notícias aos pobres. Enviou-me para cuidar dos que estão com o coração quebrantado, anunciar liberdade aos cativos e libertação das trevas aos prisioneiros.”

Isaías 61:1

Idealizadora do instagram Herdeira (@sigaherdeira), apaixonada por Jesus e com saudade de Casa.

Lá do Alto – Se Deus não for suficiente na nossa vida, nada mais será

Vivemos em um tempo onde as pessoas pensam, erradamente, que só serão felizes se tiverem tudo aquilo que sua alma desejar. Só que tais pessoas descobrem que continuam tristes, vazias e infelizes mesmo depois de terem alcançado o que queriam. Por que será? Já quero ir direto ao ponto: Coisas não são suficientes para nos fazer felizes. Se Cristo não é suficiente para mim, nada mais será!

Vejo por aí um grande número de pessoas correndo contra o tempo para realizar seus sonhos e objetivos de vida – não que isso seja errado. O problema é pensar que a verdadeira felicidade se encontra na realização de tais coisas. É verdade que quando alcançamos ou adquirimos algo que tanto queríamos ficamos felizes, e isso é normal e natural.

Mas observemos que com o passar tempo toda aquela que felicidade que sentimos após termos conseguido o que tanto almejávamos desvanece e some como uma fumaça desaparece no ar. Por quê? Porque coisas não são suficientes para fazer o homem verdadeiramente feliz. Um exemplo disso são os ricos. Os ricos possuem o que a maior parte das pessoas desejam: Dinheiro, segurança, bem-estar, etc… Não obstante, muitos deles são pessoas tristes, infelizes, depressivas e amarguradas que não encontram um sentido para suas vidas e, por causa dessa realidade, muitos acabam cometendo suicídio, abreviando assim a sua chegada ao inferno, ao lugar onde o fogo não se apaga e o verme não morre. (Marcos 9.44)

Concluímos então que ter tudo não é suficiente para tornar um ser humano feliz. Se isso fosse mentira, os ricos seriam as pessoas mais felizes do planeta; se isso fosse mentira muitos ricos não dariam cabo de suas vidas, pois não teriam motivos para isso.

Outro erro que o ser humano comete é pensar que um namorado/namorada ou qualquer outra pessoa é o que basta para ser feliz. Alguém pode pensar que não precisa de nada além de ter outra pessoa para ser feliz e compartilhar as aventuras da vida. Ah, quantos sonham em se casar! Quantas moças e rapazes estão em busca do casamento! Sim, o casamento é uma bênção, o próprio Deus, como sabemos, instituiu o casamento, logo, desejar casar não é errado, muito pelo contrário. Em Provérbios 18. 22 diz: Aquele que encontra uma esposa, acha o bem, e alcança a benevolência do Senhor.

Então qual é o problema? O problema é pensar que um alguém é suficiente para me fazer absolutamente feliz; o problema é achar que o casamento é a única coisa no mundo que fará o homem ou a mulher o ser mais feliz do mundo só porque casou. Não me entendam mal. Acredito que você já entendeu o quero que você entenda. O casamento entre duas pessoas que se amam trás profunda alegria e regozijo, sim. Um homem e uma mulher ao se casarem experimentarão uma alegria demasiadamente grande, isso é fato! Quando vamos a um casamento os noivos estão sempre felizes, não é mesmo?

Pois bem, o que quero que você entenda é que nem mesmo um cônjuge é suficiente para tornar alguém verdadeiramente feliz. Note que estou enfatizando o verdadeiramente, porque somente Cristo pode dar a verdadeira alegria.
Como mencionado acima, se Cristo não é suficiente na minha vida, nada mais será. Somente Cristo deve ser suficiente para nós. Cristo, o nosso Senhor e Salvador, é Supremo. Ele é superior e está acima de absolutamente todas as coisas. Tudo foi criado pelas mãos dele, somos salvos por meio dele. Mas, se apesar de tudo isso não o considero suficiente para mim, então o quê mais além dele será? Marido? Namorado? Filhos ou bem terrenos? Nada disso se compara a Cristo, nosso Senhor, Salvador e Redentor!

Tudo o que existe na terra é inferior a Ele pelo fato de tudo ter sido criado por Ele, sendo assim, como pode algo inferior ser suficiente para mim? É porque o homem não conhece a Deus!

Sim, podemos nos alegrar com aquilo que temos, mas nada se compara a Cristo. Nada, nada, nada se compara a Cristo. A pessoa que não tem nada, mas tem a Cristo, é infinitamente mais rica do que aquela que possui todo o dinheiro do mundo. Quando consideramos Cristo suficiente para nós, nada mais importa, visto já termos tudo o que necessitamos; e Cristo Jesus, somente Ele, é tudo o que precisamos.

 

Texto lindo da Priscila do blog Cantinho dos Evangélicos.
Lidiane Silva

Casada, Mãe da Ester, do Arthur e da Sophia, Cristã na CCB, adora passear, e nas horas vagas aproveitar pra fazer crochet. =)

Lá do Alto – A Parábola do Banquete

banquete

A Parábola do Banquete

“Então Jesus, tomando a palavra, tornou a falar-lhes em parábolas, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um certo rei que celebrou as bodas de seu filho; E enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas, e estes não quiseram vir. Depois, enviou outros servos, dizendo: Dizei aos convidados: Eis que tenho o meu jantar preparado, os meus bois e cevados já mortos, e tudo já pronto; vinde às bodas. Eles, porém, não fazendo caso, foram, um para o seu campo, outro para o seu tráfico; E os outros, apoderando-se dos servos, os ultrajaram e mataram. E o rei, tendo notícia disto, encolerizou-se e, enviando os seus exércitos, destruiu aqueles homicidas, e incendiou a sua cidade. Então diz aos servos: As bodas, na verdade, estão preparadas, mas os convidados não eram dignos. Ide, pois, às saídas dos caminhos, e convidai para as bodas a todos os que encontrardes. E os servos, saindo pelos caminhos, ajuntaram todos quantos encontraram, tanto maus como bons; e a festa nupcial foi cheia de convidados. E o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste de núpcias. E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu. Disse, então, o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o, e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes. Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos.” (Mateus 22:1-14)
Cristo conta essa parábola em um contexto muito particular. A parábola faz parte de um contexto que começa no capítulo 21 de Mateus, em que Cristo evidencia aos judeus a sua incredulidade. Os judeus se gloriavam pois achavam que eram salvos. E achavam que eram salvos por serem a nação escolhida de Deus, povo a quem Deus tinha se revelado, povo que tinha recebido a Lei, povo a quem Deus tinha se manifestado no Sinai. E nessa falsa segurança de salvação, eles se tornaram arrogantes. Amavam o pecado, praticavam a injustiça. E se alguém lhes perguntasse: Vocês são salvos? Eles responderiam: “Sim, pois somos filhos de Abraão. Temos as promessas dos profetas.” Nessa falsa segurança, rejeitaram o ministério de João, o Batista. Mataram os profetas. E pior: rejeitaram a Cristo. Em acusação, Cristo disse a eles:
“Em verdade vos digo que os publicanos e as meretrizes entram adiante de vós no reino de Deus. Porque João veio a vós no caminho da justiça, e não o crestes, mas os publicanos e as meretrizes o creram; vós, porém, vendo isto, nem depois vos arrependestes para o crer.” (Mt. 21:31-32)

E nesse contexto de acusação que Cristo conta a parábola do banquete. E ela nos ensina coisas valiosas.

A parábola nos ensina que Deus tem uma festa de bodas de Seu Filho para celebrar. Essas bodas na Bíblia representam o Reino de Deus sendo estabelecido no mundo. O estabelecimento do Reino é comparado a um casamento pois assim como no casamento o noivo se une à sua noiva, a Igreja, a multidão dos salvos se unirão a Cristo, e desfrutarão de uma eternidade em paz e justiça. O livro de Apocalipse nos fala desse cenário.

“E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.” (Apocalipse 21:3-4)

“E mostrou-me o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro. No meio da sua praça, e de um e de outro lado do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a saúde das nações. E ali nunca mais haverá maldição contra alguém; e nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão. E verão o seu rosto, e nas suas testas estará o seu nome. E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina; e reinarão para todo o sempre.” (Apocalipse 22:1-5)

O estabelecimento do Reino de Deus significa paz, alegria, pureza, justiça, santidade. Não mais dor, não mais sofrimento, não mais tentação. Isso significa a volta da criação ao seu estado original antes da queda. Não mais pecado, não mais corrupção, não mais morte, não mais lamento. Felicidade é o que Deus tem preparado nas bodas do Cordeiro.
arrependimento. Todos estão sendo chamados a abandonar seus pecados e se preparar para o Reino de Deus.

E a pergunta agora é: Bem, se todos são convencidos pelo Espírito, será que todos são salvos? Não. Na parábola, o rei mandou seus servos não para trazer os convidados à força, mas para os convidar. Como está escrito em Apocalipse: “Eis que estou à porta e bato.” O que Deus traz pelo Espírito é a possibilidade de salvação, não a salvação em si. A ação do Espírito de Deus no coração do homem traz uma condição ao mesmo tempo graciosa e ao mesmo tempo terrível: Ela nos traz a luz; ela nos ilumina. E isso é terrível pois nos dá a oportunidade de dizer “não” e de resistir, de recusar. Nos dá a oportunidade de não abrir a porta do coração a Cristo, que está batendo, e nos dá a oportunidade de recusar o convite para as bodas. O Espírito fala com o homem, e o homem pode resistir a ele.

“Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, apedrejas os que a ti são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e não o quiseste!” (Mt. 23:37)

“Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; como o fizeram os vossos pais, assim também vós.” (Atos 7:51)

Deus chama a todos os homens ao arrependimento, Deus deseja que todos sejam participantes do Reino, mas muitos resistem. Muitos são chamados. E aos que não resistem, aos poucos que aceitam de fato ouvir a voz de Deus, e vir a ele, a estes Cristo chama de eklektos, escolhidos, eleitos. Aqueles que perderam a sua vida e agora a encontraram nas bodas do Cordeiro. Aqueles que lutaram em suas vidas, e agora foram chamados ao descanso eterno. Resta ainda um descanso para o povo de Deus. Que possamos nós, todos nós, participar deste descanso.

Imagens: Reprodução/Pinterest

Fonte: Daqui

Lidiane Silva

Casada, Mãe da Ester, do Arthur e da Sophia, Cristã na CCB, adora passear, e nas horas vagas aproveitar pra fazer crochet. =)

Lá do Alto: A felicidade só depende de você

Durante um seminário para casais, perguntaram a uma das esposas:

Seu marido a faz feliz? Ele a faz feliz de verdade?´Neste momento, o marido levantou seu pescoço, demonstrando total segurança. Ele sabia que a sua esposa diria que sim, pois ela jamais havia reclamado de algo durante o casamento. Todavia, sua esposa respondeu a pergunta com um sonoro `NÃO´, daqueles bem redondos!

Não, o meu marido não me faz feliz´! (Neste momento o marido já procurava a porta de saída mais próxima). `Meu marido nunca me fez feliz e não me faz feliz! Eu sou feliz´. E continuou: O fato de eu ser feliz ou não, não depende dele; e sim de mim. Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida, pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa ou circunstância sobre a face da Terra, eu estaria com sérios problemas. Tudo o que existe nesta vida muda constantemente: O ser humano, as riquezas, o meu corpo, o clima, o meu chefe, os prazeres, os amigos, minha saúde física e mental. E assim eu poderia citar uma lista interminável. Eu decido ser feliz! Se tenho hoje minha casa vazia ou cheia: sou feliz! Se vou sair acompanhada ou sozinha: sou feliz! Se meu emprego é bem remunerado ou não: eu sou feliz! Sou casada, mas era feliz quando estava solteira. Eu sou feliz por mim mesma.

As demais coisas, pessoas, momentos ou situações eu chamo de `experiências que podem ou não me proporcionar momentos de alegria e tristeza. Quando alguém que eu amo morre eu sou uma pessoa feliz num momento inevitável de tristeza. Aprendo com as experiências passageiras e vivo as que são eternas como amar, perdoar, ajudar, compreender, aceitar, consolar.

Há pessoas que dizem: hoje não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque faz muito calor, porque alguém me insultou, porque alguém deixou de me amar, porque eu não soube me dar valor, porque meu marido não é como eu esperava, porque meus filhos não me fazem felizes, porque meus amigos não me fazem felizes, porque meu emprego é medíocre e por aí vai.

Eu amo meu marido e me sinto amada por ele desde que nos casamos. Amo a vida que tenho, mas não porque minha vida é mais fácil do que a dos outros. É porque eu decidi ser feliz como indivíduo e me responsabilizo por minha felicidade.

Quando eu tiro essa obrigação do meu marido e de qualquer outra pessoa, deixo-os livres do peso de me carregar nos ombros. A vida de todos fica muito mais leve. E é dessa forma que consegui um casamento bem sucedido ao longo de tantos anos´.

Nunca deixe nas mãos de ninguém uma responsabilidade tão grande quanto a de assumir e promover sua felicidade. SEJA FELIZ, mesmo que faça calor, mesmo que esteja doente, mesmo que não tenha dinheiro, mesmo que alguém o tenha machucado, magoado, mesmo que alguém não o ame ou não lhe dê o devido valor.

feliz

Fonte:Daqui

Lidiane Silva

Casada, Mãe da Ester, do Arthur e da Sophia, Cristã na CCB, adora passear, e nas horas vagas aproveitar pra fazer crochet. =)

Lá do Alto: Você sofre com o sofrimento dos outros?

luznavida

Eu poderia começar esse texto com algo já planejado, mas resolvi ir escrevendo sem um tema pré determinado e sem um final planejado. Parei pra pensar sobre o mundo e como as coisas vão indo, mas a minha única conclusão é que não gostaria de acordar todos os dias se fosse Deus.

Não gostaria de ser obrigada a ver as condições em que se encontra o mundo que eu mesma criei. Não gostaria de ver e ouvir o que pensam ou dizem os seres humanos que criei e dei a minha própria semelhança. Na verdade, diria que as aparências enganam, literalmente, pois eu não me pareceria com nenhum deles.

 

Pessoas que depois de séculos repetem os mesmos erros do passado e não se importam uns com os outros, não dão valor a presença de cada um que passa por suas vidas.

Parei pra pensar e se eu fosse Deus, esse mundo não existiria mais! Acredito que não existiria salvação nem pra mim mesma. E isso me fez pensar em como Jesus sofreu em sua missão e como toda aquela multidão teve a chance de dar um destino diferente à ele, mas nada fizeram.

Quando Pilatos perguntou a multidão: “…Qual quereis que vos solte? Barrabás, ou Jesus, chamado Cristo?” – Mateus 27:17 

“…E eles disseram: Barrabás.” – Mateus 27:21

Não pensaram na dor do próprio filho de Deus. Porque, simplesmente, o sofrimento não era com eles. Pessoas que só se importam consigo mesmas, que não sofrem ao ver o outro sofrer, que não choram com os que choram.

 

O que aconteceu naquele tempo com Jesus se repete todos os dias no mundo em que vivemos e parece que ninguém vê ou quer enxergar. As pessoas parecem estar cegas e ocupadas demais vivendo uma vida que não tem sentido nenhum nesta terra, dando mais valor para os prazeres desta vida do que pra própria alma. E se você estiver neste momento pensando eu não sou assim, acho que você precisa parar e refletir.

 

Você, realmente, se importa com as outras pessoas ou, simplesmente, continua vivendo a sua vida porque não é com você? Será que não deveríamos colocar o amor em prática de verdade e não somente da boca pra fora? Será que a dor e o sofrimento dos outros não nos causa nenhum sofrimento? Será que estamos fazendo as escolhas certas?

 

Pra todas essas perguntas a minha resposta é: Eu não sei! A única certeza que tenho é que a gente só começa a pensar no sofrimento dos outros quando sofremos e a dor parece não ter fim. Quando pedimos misericórdia e Deus não nos dá o privilégio de desistir ou fugir, como não deu ao seu próprio filho.

Talvez, seja preciso passar por todo sofrimento que vier pra que possamos dar valor ao lugar que ele nos reserva no céu. Mas, não seria muito melhor passar por tudo isso se a dor não fosse causada por quem sempre esteve ao nosso lado?

Pode ser que eu esteja errada, mas esse pode ser o nosso primeiro passo! :)

nãodesista

Gislaine Rodrigues

Cristã na CCB, Consultora de Estilo no Cabide Criativo, adora tudo que envolve criatividade e quer um dia conseguir ajudar muitas pessoas no mundo. =)