Lá do Alto – Parábola dos dois caminhos

paraboladoiscaminhos

Um velho pastor de ovelhas, saia todos os dias de sua casa antes da luz do Sol, para cuidar do seu rebanho. Por ter uma idade bem avançada, tinha os passos lentos e curtos, mas mesmo com dificuldades não abria mão de cuidar do rebanho e demonstrava orgulho em sua vida simples de pastor de ovelhas. Tinha por hábito fazer suas orações durante o trajeto e em seguida ligava seu antigo rádio de pilhas para se distrair, dizia que isto “encurtava” a caminhada. Numa dessas manhãs após as rotineiras orações, resolveu mudar o caminho. Depois de um longo tempo sentiu-se arrependido pois observara que uma ponte que ligava as duas margens havia se despencado rio abaixo e teria que voltar para o antigo caminho depois de quase uma hora de caminhada. Agora o calor já o incomodava e impaciente acelerava os passos enquanto pensava: “Maldita hora em que resolvi mudar de caminho! Acho que minhas orações assim como as minhas ideias não estão sendo de muita valia…”

Sol ardendo-lhe a face, cansado de tanto andar depara-se com um antigo conhecido do mesmo vilarejo que o adverte: “Por onde o Senhor andava? Seus filhos estão a sua procura! Já andaram por toda parte!”

Sem muito entender o motivo da pergunta, ele apenas respondeu que sem um motivo qualquer resolveu de repente mudar de caminho naquele dia, mas que acabou perdendo mais tempo por não saber que a ponte havia se quebrado nas últimas chuvas por aqueles lados. “Pois só pode ser um anjo que lhe soprou aos ouvidos para mudar o rumo hoje! Hoje vinha passando por este caminho uma boiada que acabou estourando, quando surgiram do nada umas onças atacando os animais numa fúria que foi boi pra tudo que é banda!” Tomado de forte emoção, agora compreendera o pensamento repentino. Era inevitável não pensar na Misericórdia do Senhor. Naquele momento, em sinal de grande reconhecimento, o velho homem retirou o chapéu de palha e de joelhos, agradeceu à Deus por ter lhe resguardado a vida, mesmo depois de viver o vacilo da fé.

Fonte: Aqui

Lidiane Silva
Casada, Mãe da Ester, do Arthur e da Sophia, Cristã na CCB, adora passear, e nas horas vagas aproveitar pra fazer crochet. =)

Lá do Alto: Pedro e a Pedra – Uma Parábola sobre a Santidade

Passeando por alguns blogs achei essa Parábola sobre a Santidade, gostei muito e achei que seria interessante compartilhar com vocês. ;)

pedroeapedra

“Mas ele respondeu ao seu pai: ‘Olha! Todos esses anos tenho  trabalhado como um escravo ao teu serviço e nunca desobedeci às tuas ordens. Mas tu nunca me deste nem um cabrito para eu festejar com os meus amigos. Mas quando volta para casa esse teu filho, que esbanjou os teus bens com as prostitutas, mata o novilho gordo para ele!” Lucas 15:29:30

A atitude do irmão mais velho na parábola do “filho pródigo”, nos ajuda a pensar em uma séria questão. Qual a motivação de nossa obediência a Deus? Quando buscamos a santidade, fazemos por culpa ou medo da punição? Ou quem sabe, nossa retidão é motivada pela esperança de um galardão ou até de benefícios divinos liberados ao longo de nossas vidas?

Uma história apócrifa sobre os discípulos de Jesus, nos ajuda a ilustrar a questão:

Um dia, disse Jesus aos discípulos: “Gostaria que carregassem uma pedra para mim.” Ele não deu qualquer explicação. Então, os discípulos procuraram pedras para carregar consigo; Pedro, prático como era, procurou pela menor pedra que pudesse encontrar. Afinal, Jesus não havia dito nada sobre o tamanho e peso! Assim, colocou uma pedra no bolso. Jesus então disse: “Sigam-me.” E eles deram início a uma caminhada.

Por volta do meio dia, Jesus pediu que todos se sentassem. Fez um meneio com as mãos e todas as pedras se transformaram em pão. Então, disse: “É hora de comer.” Em poucos segundos a comida de Pedro havia acabado.

Terminada a refeição, Jesus pediu que todos se levantassem. Tornou a dizer: “Gostaria que carregassem uma pedra para mim.” Desta vez, Pedro pensou: “Aha! Agora entendo!” olhou em volta e viu um pequeno penedo. Suspendeu a pedra sobre os ombros, e era tão pesada que a deixou cambaleante. Mas pensava: “Mal posso esperar pelo jantar.” Então Jesus disse: “Sigam-me.” E eles deram início a outra caminhada, e Pedro mal conseguia acompanhar o grupo.

Por volta do horário do jantar, Jesus os conduziu para a margem de um rio. Disse: “Agora, quero que todos joguem as pedras na água.” E assim foi feito. Depois acrescentou: “Sigam-me”, e começou a andar. Pedro e os outros olharam para ele, embasbacados. Jesus suspirou e disse: “Não se lembram do que eu pedi que fizessem? Por quem vocês carregaram as pedras?

No final da parábola do “filho pródigo”, o irmão mais velho acaba revelando o lado maligno de sua obediência. Ele não obedecia porque amava o Pai e desejava honrá-lo. De fato, ele não desfrutava e nem valorizava a presença do Pai em sua vida;  tudo que lhe interessava eram os benefícios e as garantias desta presença.

Quantos de nós temos carregado pedras pesadas em nome da espiritualidade e da consagração a Deus? Mas a pergunta é: Para quem carregamos estas pedras? O que esperamos receber em troca? Será que a obediência a vontade de Deus, permanece para nós como um fardo pesado, o qual carregamos com grande sacrifício até o dia da recompensa?

A verdadeira santidade não espera recompensa. A verdadeira obediência não precisa de recompensa. Nós obedecemos porque amamos a Deus, e isto basta. A santidade genuína está em desfrutarmos da presença de nosso Pai e desejarmos permanecer nesta presença. Nossa alegria é ver a alegria de nosso Pai. Isto é a santidade.

Santidade é a separação total a Deus, dedicação total a Deus, vem de sagrado, consagrado. Sem um coração santo não se pode viver em santidade.

Santidade é o clamor do coração de Deus para o seu povo desde a Antigüidade até os dias de hoje.

A história de “Pedro e a Pedra” foi tirada do livro ” O Deus pródigo” de Timothy Keller, publicado pela Thomas Nelson Brasil; que por sua vez cita Elisabeth Elliot em “These strange ashes”

Fonte: Daqui

Lidiane Silva
Casada, Mãe da Ester, do Arthur e da Sophia, Cristã na CCB, adora passear, e nas horas vagas aproveitar pra fazer crochet. =)

Lá do Alto: Buscai ao Senhor enquanto se pode achar

tempo

Breve chegará o grande dia em que Cristo virá arrebatar a sua noiva, a Igreja. Mas enquanto esse dia não chega, muitas pessoas estão se divertindo, festejando, afundando-se cada vez mais no pecado, e preocupando-se somente com as coisas passageiras dessa vida.

Os que se dizem cristãos estão desesperados, como as cinco virgens loucas descritas em Mateus 25, que não levaram azeites suficientes para suas lamparinas, e assim, não puderam entrar nas Bodas do Cordeiro.

Muitos estão vivendo um “evangelho” totalmente diferente daquele que foi pregado por Cristo Jesus e seus apóstolos. O verdadeiro evangelho já não está mais sendo pregado em muitas congregações; as pessoas já não ouvem mais falar sobre o céu e o inferno. E ensinamentos que são importantes para a vida espiritual estão sendo substituídos por falsos ensinamentos que fazem cócegas nos ouvidos e massageiam o ego das pessoas.

Estamos vivendo tempos difíceis e muitos ainda estão adormecidos correndo um sério risco de serem condenados à morte eterna. (…)

Eu costumo dizer que cada dia que abrimos os nossos olhos e levantamos da nossa cama é uma oportunidade que Deus nos dá de arrepender-nos dos nossos pecados e voltar-nos para Ele. Só que infelizmente, muitos rejeitam essas oportunidades concedidas por Deus.

Buscai ao Senhor enquanto se pode achar. Buscai ao Senhor enquanto, ou seja, durante o tempo em que você está vivo. Lembre-se, um dia todos iremos morrer! E o que você tem feito com o seu tempo?

As pessoas (não generalizando) desejam viver suas vidas como se Jesus nunca fosse voltar ou como se elas fossem eternas; muitos praticam más obras como se nunca fossem prestar contas a Deus pelos seus atos. Precisamos compreender a brevidade da vida, é tempo de voltar-se para Deus e pedir perdão pelos pecados cometidos.

A palavra diz que “Como ave que vagueia longe do seu ninho, assim é o homem que anda vagueando fora do seu lugar” (Provérbios 27:8)

Jesus está às portas e você não está preparado; então, comece a se preparar agora mesmo. A falta de prontidão pode fazer com que sejamos deixados no Arrebatamento da Igreja. Em Mateus 24:44 diz que o Senhor voltará na hora que não estivermos esperando. Por isso precisamos estar atentos, em vigilância e orando continuamente.

Deixemos de lado as vaidades da vida, o desejo excessivo pelas coisas materiais e busquemos a Deus. Viva como se o Senhor fosse voltar hoje.

“Buscai ao Senhor enquanto se pode achar; invocai-o enquanto está perto.” Isaías 55:6

tempo

Fonte: Daqui

Lidiane Silva
Casada, Mãe da Ester, do Arthur e da Sophia, Cristã na CCB, adora passear, e nas horas vagas aproveitar pra fazer crochet. =)

Lá do Alto: Parábola – O Filho Pródigo

Nós mães temos a tarefa de quando colocar as crianças pra dormir sempre contar uma historinha.

Achei super interessante o Blog da Tia Carol, lá você encontra algumas parábolas bíblicas pra interagir com as crianças. Assim a gente aproveita uma maneira bem simples de compartilhar da bíblia com eles.

ofilhoprodigo

Parábola – O Filho Pródigo

Leitura Bíblica: Lucas. 15. 11-32
(Memorizar: “Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti” Lucas 15.18)
Certa vez, Jesus contou a história de um rapaz que, não gostando mais da forma como o seu pai administrava resolveu pedir tudo o que era seu e sair de casa. Orgulho, pensava que saberia cuidar da sua vida muito bem, melhor do que seu pai.
Nos primeiros tempos, parecia que tudo era alegria: festas, amizades, e tantas outras coisas que há no mundo. No entanto, acabaram-se os valores que havia ganhado na casa de seu pai. Então, a vida se tornou difícil, passou fome e teve até que cuidar de porcos. Logo percebeu o quanto havia sido bobo ao pensar que saberia cuidar de sua vida melhor que seu pai.
Um dia, profundamente arrependido, resolveu voltar para o seu pai, pedindo que não fosse tratado como um filho, mas sim com um empregado. Ao chegar em casa, no entanto, que surpresa: seu pai estava esperando-o, abraçou-o e mandou prepararem uma festa para ele.
Aquele filho precisou perder tudo o que tinha para reconhecer o quanto seu pai era bom e o amava. Que bom quando, sem nunca termos saído da igreja, conseguimos reconhecer Deus como nosso Pai, sem perder o que Ele nos deu, e valorizarmos Seu amor!
Enquanto estava sendo realizada a festa de recepção pela chegada do filho mais novo, o filho mais velho chegou em casa. Ao ver toda aquela atenção dada ao seu irmão, ficou muito triste. Achava que seu irmão estava sendo beneficiado mais do que ele próprio, que sempre tinha estado “certinho” ao lado do seu pai. Parecia uma injustiça.
No entanto, o pai disse-lhe que não era assim. Na verdade, o seu irmão havia perdido tudo, enquanto ele, o filho que havia ficado em casa, não havia perdido nada, ainda possuía tudo que era do pai. O mais novo estava na miséria, teria que começar tudo de novo.
O problema do filho mais velho era que não sabia valorizar o pai nem o que tinha com o pai. Assim são algumas pessoas: embora nunca tenham saído da igreja e, por isso, continuem com tudo o que receberam de Deus, não valorizam o quanto foi precioso estarem este tempo com Ele; não percebem a preciosidade que é ter estado sempre protegido pelo Pai.
Ouvi uma frase certa vez e nunca me esqueço.
“Tudo que aprendemos ainda que pequenos, fica gravado em nossas vidas.”
Lidiane Silva
Casada, Mãe da Ester, do Arthur e da Sophia, Cristã na CCB, adora passear, e nas horas vagas aproveitar pra fazer crochet. =)